Imagens: Arquivo pessoal e Instagram

 

Profissão cat sitter: Louca dos gatos | Blog Pets e PatasVocê adora gatos e ainda não conhece a Louca dos Gatos? Isso vai mudar já! Luísa Pinheiro, mais conhecida como Tia Luí é uma cat sitter – cuidadora de gatos – de SP que faz bastante sucesso nas redes sociais e como profissional também, é claro! Cuidando dos mais diversos gatinhos da capital paulista, de gente conhecida inclusive, como a blogueira Lia Camargo, do Just Lia, ela posta foto de todas as suas visitas no IG @loucadosgatos_ com legendas, vídeos divertidos e sua caraterística “voz de gato”.

Quem acompanha seu trabalho diário pela rede social de fotos e vídeos, já espera as novas imagens para se encantar com os pets, rir com o jeitinho especial da profissional e até se divertir com as traquinagens, aventuras e personalidade dos clientes felinos, como o Fito, por exemplo, um gatinho amarelo bem mal humorado que é adorado pela equipe P&P e seus seguidores e, por isso, ganhou até um perfil próprio no IG, o @instadofito.

 


xô ❤️ (Fito, @instadofito) #loucadosgatos #catsitter #catsofinstagram

Um vídeo publicado por Louca dos Gatos (@loucadosgatos_) em

 

Confira mais sobre a Tia Luí e sua profissão nessa entrevista do blog:

 

Pets & Patas: Como e quando começou seu amor pelos gatos?
Luí: Meu primeiro namorado tinha duas gatas e eu sempre convivia com elas, mas nesta época ainda não tinha despertado me amor. Como minha mãe nunca me deixava ter animais, assim que eu casei, em 2004, quis adotar um pet. Meu ex-marido gostava de gatos e acabamos adotando o Sr. Nicolau. Nesta época, eu busquei informações sobre gatos e acabei conhecendo a ONG Adote Um Gatinho. Lá adotei o Miguel, meu segundo gato e também as outras duas meninas, Lorena e Rita. Acho que o culpado de tudo foi o Sr. Nicolau. Ele é um gato incrível. Um grande amor! Ele que me ensinou a amar os gatos e querer esta sempre perto deles.

 

P&P: E como foi que você iniciou essa coisa de cat sitter?
L: Uma super amiga minha é baiana e morava em São Paulo. Ela sempre viajava e eu cuidava das gatinhas dela. Chegou um ponto que ela não teve mais coragem de me pedir, pois viajava muito mesmo e sugeriu que eu recebesse pelo serviço. Claro que eu não aceitei, mas ela acabou me indicando para vários amigos que precisavam. A coisa foi ganhando força e eu acabei profissionalizando o serviço, com site, Instagram e suporte profissional.

 

P&P: Como é o serviço prestado?
L: O trabalho de cat sitting consiste em cuidar dos gatinhos na ausência de seus donos, diretamente na casa deles. A rotina a ser seguida é pré-definida pelo cliente, respeitando o hábito dos animais e horários deles. As visitas duram uma hora e incluem:
– Limpeza diária de liteiras
– Limpeza do chão onde as liteiras estão localizadas
– Retirada do lixo para possível área externa
– Limpeza e complemento de potes de água e ração
– Corte de unha (se necessário)
– Escovação (se desejado)
– Medicação (se necessário)
A maior parte do tempo é dedicada para atenção e carinhos com os gatinhos, para que eles não se sintam tão sozinhos na ausência de seus tutores, sempre respeitando a individualidade e personalidade de cada um. Antes do período contratado, marco um encontro para conhecer as pessoas e os gatinhos e aproveito para conhecer a rotina da casa e os lugares que guardam tudo.

 

Profissão cat sitter: Louca dos gatos | Blog Pets e Patas

 

P&P: Você atua apenas em SP ou abrange outras áreas próximas?
L: Apenas em São Paulo. Algumas regiões eu atendo por meio de cuidadores parceiros.

 

P&P: Entra na casa das pessoas requer certo grau de confiança, correto? Como você consegue os clientes, é por indicação?
L: A grande maioria dos clientes é por indicação. Mas acho que com as redes sociais esta confiança também se amplia. As pessoas acompanham meu trabalho nas redes sociais, principalmente Instagram e Facebook e isso traz uma segurança, pois as pessoas sabem dos gatos que cuido e meus clientes recomendam.

 

P&P: Você trabalha apenas com isso ou tem outra profissão?
L: Infelizmente ainda não consigo viver apenas de cat sitter, mas a ideia é esta. Eu trabalho numa produtora de vídeos em SP e faço os atendimentos em horários alternativos, antes de entrar ou depois do trabalho. Aos fins de semana, minha agenda fica por conta dos gatos. Todos os horários são negociados com os clientes, que sabem desta minha “jornada dupla” rs.

 

P&P: Que dica você daria para quem quer contratar esse tipo de serviço? Que aspectos a pessoa tem que prestar mais atenção para não cair em armadilhas e ter um profissional de qualidade?
L: Acho que o mais importante é pegar referência de clientes. Acompanhar as redes, conhecer pessoalmente. Eu sempre ofereço contato de alguns clientes para que o novo se sinta confortável. No Instagram mesmo as pessoas podem acompanhar meu trabalho e quem é meu cliente, pois marco todos nas fotos. Além disso, é importante se programar com antecedência.

 

P&P: E para quem pensa em se aventurar trabalhando na área?
L: É importante ter em mente que, apesar de ser o melhor trabalho do mundo, ainda assim é trabalho e exige uma responsabilidade enorme, pois a vida desses seres ficam nas nossas mãos. É importante ser muito responsável e cuidadoso, afinal você estará dentro da casa de uma pessoa que nem sequer está lá. No mais, é necessário amar e conhecer bem o comportamento dos gatinhos. Ficar atento a qualquer sinal de mudança é crucial caso aconteça algum imprevisto.

 
Assina cris

Por Talita Ramos
Fotos: banco de imagens

 

Quando adestrar o pet é necessário | Pets e Patas

Quem vive com um animal de estimação em casa sabe que muitas vezes é preciso adestrá-lo por causa de seu comportamento, para que esse possa viver em harmonia com as pessoas e outros animais no mesmo ambiente, algo que não fica restrito apenas a cães e gatos, como muitos imaginam. “Basicamente, todos os animais são condicionados por meio de alimentos; mas os domésticos, por estarem mais próximos do ser humano, criam vínculo maior. Com isso, é mais fácil lidar com eles, mas sempre respeitando a natureza do animal.

O processo de adestramento consiste em proporcionar equilíbrio na relação entre o homem e o animal. Existem várias metodologias para isso. A que eu se pratico baseia na comunicação humana”, explica o especialista em comportamento animal André Francisco Rosa. “Adestrar um animal é educá-lo a conviver em harmonia com pessoas e outros bichos, bem como ensinar funções específicas, como trabalho, guarda ou esportes caninos”, conta o zootecnista Renato Zaneti.

Quando adestrar o pet é necessário | Pets e Patas

O auxílio de um adestrador profissional é necessário em casos específicos de educação animal, mas o que leva a essa necessidade são vários fatores. “Geralmente é a queixa dos donos em relação a um comportamento específico do animal que faz com que ele seja adestrado. Em todo comportamento existe uma intenção positiva para quem o faz. No caso do cão, por exemplo, se ele late muito ou urina em lugar inapropriado, sempre há uma comunicação ali. O meu trabalho consiste em mostrar para o dono o ponto de vista do animal.

Por exemplo, quando o cão está latindo muito, ele está comunicando: ‘eu preciso passear e preciso fazer atividades’, como correr, brincar, deitar, sentar; e quando ele faz suas necessidades em lugar inapropriado, como no meio da sala, significa que ele está com muita liberdade e está pedindo direcionamento. Então, ele mostra para o dono como ele pode solucionar o problema”, conta André. Segundo o especialista, o adestramento deve começar a partir do dia em que o bichinho chega à sua nova moradia, independente da idade.

 

Quando nem o adestramento resolve

Existem casos em que nem o adestramento resolve o problema comportamental que determinado animal pode apresentar. “Isso ocorre quando os donos projetam suas emoções, dores e traumas no animal, criando uma barreira para que o cão aprenda o novo. Os cães pedem para ser tratados como cães. Se você o trata como ser humano, ele perde a identidade e não sabe mais o que ele é”, explica André.

 

Trabalho em equipe

Quando adestrar o pet é necessário | Pets e PatasO adestramento em si é um trabalho tanto do adestrador quanto do tutor do animal a ser educado. “O adestrador transfere as técnicas e seu conhecimento ao tutor. O tutor pratica e se responsabiliza pelo resultado”, explica Renato Zaneti. “O importante é a participação do tutor, o resultado bom ou ruim não é responsabilidade somente do adestrador. Minha dica é o trabalho em equipe entre tutor, cão e adestrador, para o equilíbrio e bem-estar da relação”, completa.

Segundo André, o processo de educação e adestramento é feito de forma empática. “Se você quiser se relacionar melhor com seu animal, saia do seu mundo por alguns instantes e entre no dele. Desta forma, você sempre irá aprender como conduzir seu peludo sendo assertivo e flexível, e tendo consciência do todo”, finaliza André.

 

Cuidados

Confira algumas dicas fáceis de como cuidar do seu bicho de estimação por conta própria:

– Em vez de dizer o que você não quer que o animal faça, diga o que você quer que ele faça;
– Quando o animal obedecer a um comando corretamente, dê os parabéns e um agrado;
– Organize sua casa para receber o animal, crie um espaço para ele sentir-se seguro;
– Nunca bata no animal: isso pode causar graves lesões e deixá-lo extremamente agressivo;
– Ao passear de carro com o seu bichinho, procure colocá-lo em uma caixa de transporte, por motivos de segurança.

 

***Matéria originalmente publicada na Revista Guarulhos 95

 

assina colaborador

Fotos: Banco de imagens e Divulgação

 

Cuidados com o pet no carro | Pets e PatasSeja para um passeio, uma viagem ou até uma visita ao pet shop/clínica veterinária, o transporte de pets no carro já é algo comum. Mas você sabia que existem leis para isso e cuidados que podem ser tomados para garantir a segurança, conforto e bem-estar do seu amigão?

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no artigo 235, a condução de animais, pessoas ou carga nas partes externas do veículo (na caçamba, por exemplo) é considerada infração grave, resultando em multa de R$ 127,69 e a soma de cinco pontos à Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Já no artigo 252 consta que dirigir veículos transportando pessoas, animais ou volume à esquerda ou entre os braços e pernas é considerado infração média com multa de R$ 85,13 e quatro pontos na carteira.

Mesmo com essa legislação, é normal vermos animaizinhos no meio das pernas de quem está na frente ou no colo, tanto na frente quanto no banco de trás. Além de não seguir a legislação, a atitude é muito perigosa para o pet, que, em uma freada brusca ou acidente, por exemplo, pode se chocar contra a estrutura do automóvel ou ser atirado para fora.

 

On the road

No mercado pet é possível encontrar diversos produtos legais para o transporte de cães e gatos como caixas e bolsas transportadoras, assentos especiais e cintos de segurança que se encaixam no cinto do próprio carro, que devem ser usados sempre no banco de trás. Além disso, em uma viagem muito longa é ideal programar paradas para a hidratação dos animais e também uma esticada de “patinhas” e pernas, além de carregar um pano ou toalhinha e saquinhos plásticos para os “acidentes fisiológicos” que podem ocorrer.

 

Confira os produtos que o P&P separou para você e seu pet:

 

Cuidados com o pet no carro | Pets e Patas

 

  1. Cinto de Segurança Pet Lock Bracannes, a partir de R$ 86 – Doggy Store
  2. Adaptador para Cinto de Segurança, a partir de R$ 18,80 – Cobasi
  3. Cinto de Segurança Para Cães *PRETO, R$22 – Pet Virtual
  4. Cinto de Segurança para Cães Chalesco, R$ 25,90 – Pet Love
  5. Caixa de Transporte Chalesco, a partir de R$ 149 – Meu Amigo Pet
  6. Bolsa Elegante p/ Cães e Gatos Chalesco, R$ 199,99 – Submarino
  7. Caixa de Transporte Voyage Azul Dog Lar, a partir de R$ 49,90 – Cobasi
  8. Assento Transpet – Tubline Pet, R$ 109,90 – Americanas
  9. Assento Keep Pet para Cães e Gatos, R$ 120,90 – Pet Love

 

Assina cris

SOBRE

Blog criado pela jornalista Cris Marques, de Guarulhos/SP, apaixonada por animais, mãe do cãozinho Bilbo e das hamsters Bubbles e Marceline (que viraram estrelinha em 2016), e uma fã incondicional de informação e novidades. Quer descobrir mais sobre o mundo pet?

Então seja bem-vindo!


Saiba +

Apoio

Confira os bastidores do “III Dia do AdoCão”, realizado em São Paulo pela Pedigree:


P&P no Facebook