Pet obediente

Colaboração: Como Treinar Um Cão

Ter um cãozinho é maravilhoso. O amor incondicional e a companhia desses pequenos seres fazem muito bem pra gente, incluindo aí crianças e idosos. Ao lado de um focinho gelado, é possível aprender muito sobre carinho, socialização, cuidados, felicidade e até mesmo paciência. Sim, paciência; afinal, pet dá trabalho, ainda mais quando filhote. E é quando as artes começam que muita gente pensa no adestramento.

O treino, que vai muito além de seguir comandos, pode melhorar o comportamento do animal, cessar atitudes prejudiciais para sua própria saúde, como se lamber excessivamente ou tentar fugir por medo do barulho de fogos, e estreitar os laços de confiança entre o cão e o dono.

Quer saber mais? Em parceria com o site www.comotreinarumcao.com.br, o Pets e Patas passa a publicar conteúdos sobre o assunto. Para começar, confira no infográfico abaixo os cinco elementos necessários para criar um cão comportado e feliz:

 
Adestramento de cães: o ponto de partida | Blog Pets e Patas
 
Assina cris

Por Talita Ramos
Fotos: banco de imagens

 

Quando adestrar o pet é necessário | Pets e Patas

Quem vive com um animal de estimação em casa sabe que muitas vezes é preciso adestrá-lo por causa de seu comportamento, para que esse possa viver em harmonia com as pessoas e outros animais no mesmo ambiente, algo que não fica restrito apenas a cães e gatos, como muitos imaginam. “Basicamente, todos os animais são condicionados por meio de alimentos; mas os domésticos, por estarem mais próximos do ser humano, criam vínculo maior. Com isso, é mais fácil lidar com eles, mas sempre respeitando a natureza do animal.

O processo de adestramento consiste em proporcionar equilíbrio na relação entre o homem e o animal. Existem várias metodologias para isso. A que eu se pratico baseia na comunicação humana”, explica o especialista em comportamento animal André Francisco Rosa. “Adestrar um animal é educá-lo a conviver em harmonia com pessoas e outros bichos, bem como ensinar funções específicas, como trabalho, guarda ou esportes caninos”, conta o zootecnista Renato Zaneti.

Quando adestrar o pet é necessário | Pets e Patas

O auxílio de um adestrador profissional é necessário em casos específicos de educação animal, mas o que leva a essa necessidade são vários fatores. “Geralmente é a queixa dos donos em relação a um comportamento específico do animal que faz com que ele seja adestrado. Em todo comportamento existe uma intenção positiva para quem o faz. No caso do cão, por exemplo, se ele late muito ou urina em lugar inapropriado, sempre há uma comunicação ali. O meu trabalho consiste em mostrar para o dono o ponto de vista do animal.

Por exemplo, quando o cão está latindo muito, ele está comunicando: ‘eu preciso passear e preciso fazer atividades’, como correr, brincar, deitar, sentar; e quando ele faz suas necessidades em lugar inapropriado, como no meio da sala, significa que ele está com muita liberdade e está pedindo direcionamento. Então, ele mostra para o dono como ele pode solucionar o problema”, conta André. Segundo o especialista, o adestramento deve começar a partir do dia em que o bichinho chega à sua nova moradia, independente da idade.

 

Quando nem o adestramento resolve

Existem casos em que nem o adestramento resolve o problema comportamental que determinado animal pode apresentar. “Isso ocorre quando os donos projetam suas emoções, dores e traumas no animal, criando uma barreira para que o cão aprenda o novo. Os cães pedem para ser tratados como cães. Se você o trata como ser humano, ele perde a identidade e não sabe mais o que ele é”, explica André.

 

Trabalho em equipe

Quando adestrar o pet é necessário | Pets e PatasO adestramento em si é um trabalho tanto do adestrador quanto do tutor do animal a ser educado. “O adestrador transfere as técnicas e seu conhecimento ao tutor. O tutor pratica e se responsabiliza pelo resultado”, explica Renato Zaneti. “O importante é a participação do tutor, o resultado bom ou ruim não é responsabilidade somente do adestrador. Minha dica é o trabalho em equipe entre tutor, cão e adestrador, para o equilíbrio e bem-estar da relação”, completa.

Segundo André, o processo de educação e adestramento é feito de forma empática. “Se você quiser se relacionar melhor com seu animal, saia do seu mundo por alguns instantes e entre no dele. Desta forma, você sempre irá aprender como conduzir seu peludo sendo assertivo e flexível, e tendo consciência do todo”, finaliza André.

 

Cuidados

Confira algumas dicas fáceis de como cuidar do seu bicho de estimação por conta própria:

– Em vez de dizer o que você não quer que o animal faça, diga o que você quer que ele faça;
– Quando o animal obedecer a um comando corretamente, dê os parabéns e um agrado;
– Organize sua casa para receber o animal, crie um espaço para ele sentir-se seguro;
– Nunca bata no animal: isso pode causar graves lesões e deixá-lo extremamente agressivo;
– Ao passear de carro com o seu bichinho, procure colocá-lo em uma caixa de transporte, por motivos de segurança.

 

***Matéria originalmente publicada na Revista Guarulhos 95

 

assina colaborador

SOBRE

Blog criado pela jornalista Cris Marques, de Guarulhos/SP, apaixonada por animais, mãe do cãozinho Bilbo e das hamsters Bubbles e Marceline (que viraram estrelinha em 2016), e uma fã incondicional de informação e novidades. Quer descobrir mais sobre o mundo pet?

Então seja bem-vindo!


Saiba +

Apoio

Confira os bastidores do “III Dia do AdoCão”, realizado em São Paulo pela Pedigree:


P&P no Facebook